sexta-feira, 12 de outubro de 2018

quarta-feira, 3 de outubro de 2018

3 de outubro, dia de eleição!

Dia 3 de outubro era o dia das eleições no Brasil!
Quatro presidentes foram eleitos nesta data: Getúlio Vargas, Juscelino Kubitschek, Jânio Quadros e Fernando Henrique Cardoso, no seu primeiro mandato.Também neste dia eram realizadas as eleições estaduais e municipais.
 
Vamos ver como SamPaulo viu as eleições nos anos 50:
 
 - no segundo turno (que naquele tempo não havia)!
 
 

Em 1957, o Deputado Armando Falcão apresenta uma emenda constitucional dando o direito de voto ao analfabeto.Em sua justificativa diz: "O analfabeto é um cidadão brasileiro para todos os efeitos.Paga impostos,  é convocado para o serviço militar, é chefe de família, pertence a partidos políticos, integra associações de classe, participa de campanhas eleitorais, é comerciante, é agricultor, é industrial... O analfabeto tem o ônus da cidadania. Não pode ter, todavia, uma das prerrogativas ou faculdades essenciais, o que, mais do que injusto é iniquo e odioso." 

O projeto foi arquivado por decurso de prazo.





 

 
 





 Brizola vence as eleições para Governador do Rio Grande do Sul
 
 

 
Em 1959 Wilson Vargas (Partido Trabalhista Brasileiro) disputa com Loureiro da Silva (Partido Democrata Cristão e Partido Libertador) a Prefeitura de Porto Alegre.
SamPaulo era colorado (torcedor do Sport Club Internacional), mas não consegui identificar o jogador do "a pedido". 
 
 
Uma charge de Sampaio (irmão mais velho do SamPaulo), de 1950:
 
O CONVICTO - Sim, sou do PSD
O OUTRO - DE qual deles? Do PSD-A, do PSD-X, do PSD-Y ou do PSD-R?
 
" O lançamento oficial da candidatura de Getúlio Vargas pelo PTB em 17 de junho aprofundou ainda mais a crise do PSD, pois seus líderes se dividiram entre o apoio a Cristiano Machado e a lealdade ao ex-presidente. Aproveitando-se da crise pessedista, Getúlio fez alianças com o PSD em vários estados — Espírito Santo, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Bahia, Amazonas, Goiás, Mato Grosso, Paraná e Paraíba — onde as lideranças lhe eram mais fiéis. Dessa forma, o candidato do PSD foi “cristianizado”, expressão cunhada na época e que entrou para o vocabulário político nacional: ou seja, Cristiano Machado foi abandonado à própria sorte e sua candidatura ficou inteiramente esvaziada, uma vez que as lideranças pessedistas mais expressivas aderiram à candidatura Vargas, que venceu a eleição."
 

 

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Revolução Farroupilha


Nossa homenagem aos gaúchos!
 
 
 

 
 




















"A Revolução Farroupilha, também chamada de Guerra dos Farrapos  (1835 - 1845), eclodiu no Rio Grande do Sul contra o governo imperial do Brasil e resultou na declaração de independência da província como estado republicano, dando origem à República Rio-Grandense. Estendeu-se de 20 de setembro de 1835 a 1 de março de 1845."
Outras postagens:

 http://sampaulocartunista.blogspot.com/2012/09/homenagem-aos-gauchos-neste-20-de.html

 https://sampaulocartunista.blogspot.com/2017/09/

 https://sampaulocartunista.blogspot.com/2016/09/

 

sábado, 15 de setembro de 2018

A história se repete!

A história do candidato que foi impedido de concorrer, mas venceu a eleição
Por Maurício Cardoso
Há 46 anos um candidato, ex-presidente, favoritíssimo à vitória, também foi impedido de disputar uma eleição presidencial. Aconteceu na Argentina, com Juan Domingo Perón, em 1972. Deposto da presidência por um golpe militar em 1955, Perón vivia havia 17 anos no exílio na Espanha, quando os militares golpistas do momento, na pessoa do então presidente, o general Alejandro Lanusse, resolveram convocar eleições para devolver o poder aos civis.
As eleições seriam livres e gerais com uma única restrição: só podia se candidatar quem tivesse residência no país. Regra tão genérica tinha um objetivo bem específico: evitar a candidatura de Perón. Diante do veto, Perón inventou o poste mais obscuro e mais bem sucedido da história.
Hector Cámpora, "el Tío", como era conhecido, um modesto dentista que se destacara na política apenas por sua incondicional lealdade a Perón, foi o escolhido para ocupar seu lugar e comandar uma campanha que tinha como lema “Cámpora no governo, Perón no poder”.
Liderando a Frejuli, Frente Justicialista de Libertação Nacional, um ampla coalizão que misturava conservadores e guerrilheiros e juntava todas as oposições ao governo militar, Cámpora venceu as eleições com 49,6% dos votos, contra 21,3% do segundo colocado, Ricardo Balbín, da União Cívica Radical.
Os militares haviam introduzido a eleição em dois turnos no sistema eleitoral argentino como forma derradeira de impedir uma vitória de Perón ou dos peronistas. Não conseguiram. Diante da vitória avassaladora dos peronistas no primeiro turno, Balbín desistiu de disputar a segunda volta e Cámpora assumiu a presidência. Nas eleições regionais, os peronistas elegeram os governadores de 20 das 22 províncias então existentes.
“Eu serei presidente, a despeito dos meus 76 anos de idade”, ameaçou Perón, quando os militares proibiram que ele se candidatasse. Esta realidade começou a se desenhar quando Cámpora tomou posse e Perón assumiu o poder.
Perón voltou definitivamente à Argentina menos de um mês depois de Cámpora começar a despachar na Casa Rosada. Ou melhor, na casa de Perón, para onde o presidente eleito se dirigia todos os dias para despachar com o chefe. Conta-se que Perón jamais botou os pés na sede do governo enquanto Cámpora lá manteve seu gabinete.
O lema da campanha se tornaria realidade apenas 49 dias depois da posse de Cámpora. No dia 13 de julho, Hector Cámpora e o vice-presidente Solano apresentaram suas renúncias ao Congresso da Nação. Raul Lastiri foi indicado pelo Congresso para assumir a presidência e foram convocadas as eleições para eleger um novo presidente. Ou melhor, para eleger Perón.
No dia 23 de setembro de 1973, Juan Domingo Perón foi eleito presidente da Argentina pela terceira vez. Por causa de sua saúde debilitada, não fez campanha. Recebeu 62% dos votos, a maior votação que um presidente argentino recebeu em toda a história. Não chegou a completar nove meses do mandato. Morreu no 1º de julho de 1974. Foi substituído por Isabelita Perón, sua mulher, que ficou 20 meses no cargo. Em março de 1976, foi deposta por um golpe militar que mergulhou a Argentina na mais tenebrosa ditadura de sua história. Cámpora acabou expulso do peronismo e foi para o exílio no México, onde morreu em 1980.
(Maurício Cardoso é diretor de redação da revista Consultor Jurídico).
Publicado no blog do nosso amigo Dodó Macedo:
 


terça-feira, 28 de agosto de 2018

É tempo de EXPOINTER!


A Expointer é uma feira agropecuária realizada na cidade de Esteio, no Rio Grande do Sul ,e ocorre anualmente  no final do mês de Agosto e no início de Setembro.
A primeira edição ocorreu em 24 de fevereiro de 1901, em Porto Alegre.
Todas as charges foram publicadas na secção "Campo e Lavoura" do jornal Zero Hora, de Porto Alegre.
 
1986
 
1987

1987

1987


1991




 
 
 
 
 
 
E não se esqueçam: dia 5 de setembro às 18 h vai ser o lançamento do livro "Ria por favor" com os cartuns de Sampaio publicados na Revista do Globo entre 1947 e 1955 e no lançamento, o livro será distribuído aos presentes.
no Baden Cafés Especiais
Avenida Jerônimo de Ornelas, 431 (esquina com a Vieira de Castro)
Porto Alegre
fone: 51 3209-7427
Sampaio:

sexta-feira, 24 de agosto de 2018

Claudiomiro (1950-2018)

Morreu hoje o ídolo colorado Claudiomiro.

Chegou ao Inter com apenas 13 anos.

Estreou como profissional aos 16 anos e tinha 18 quando fez o histórico gol contra o Benfica de Portugal, na inauguração do Gigante da Beira Rio em 1969.

A ele, nossa homenagem.

 


 

 http://www.internacional.com.br/home#luto-inter-lamenta-falecimento-do-lendario-claudiomiro!43706




sexta-feira, 17 de agosto de 2018

Lançamento do livro de cartuns de Sampaio!

Prezados leitores deste blog,
hoje a minha postagem é um convite para os moradores de Porto Alegre e arredores.
Dia 5 de setembro, uma quarta-feira, será o lançamento do livro "Ria Por Favor", com os cartuns do cartunista Sampaio, irmão mais velho do SamPaulo.
Será às 18 h, no Baden Cafés Especiais, na Avenida Jerônimo de Ornelas, 431(esquina com a Vieira de Castro) fone: 51 3209-7427 e no lançamento, o livro será distribuído aos presentes.




 A publicação deste livro está sendo gestada há mais de 10 anos. Quando Sampaio completou 80 anos, em 2007, sua filha pensou em publicar um livro com o trabalho do pai na Revista do Globo (1947 a 1955). Projeto gráfico pronto, a timidez do artista falou mais alto e ele proibiu a publicação: o livro só poderia ser publicado depois da sua morte. Sua vontade foi respeitada.
Sampaio faleceu em janeiro de 2017 e junto com a tristeza, veio a possibilidade da realização do que até ali era só um sonho, a publicação do livro!
Editado pela Insular (de Florianópolis), com capa de Mauro Ferreira e projeto gráfico da Libretos (de Porto Alegre), agora todos poderão conferir a qualidade e atualidade do trabalho de Sampaio e divertir-se procurando nas “cenas coletivas” que criava, o homenzinho fazendo xixi, a meninazinha de franja (sua filha), a folha de samambaia e o seu autorretrato.
Sobre Sampaio:
Nos anos 1940, muitos anos antes de “Onde está Wally”, o cartunista Sampaio criou um personagem que deveria ser procurado no meio de uma “multidão”: um homenzinho fazendo xixi, de costas, naturalmente... De humor ingênuo, como ele mesmo caracterizava seu trabalho, marcou sua carreira com estes cartuns, que retratam cenas do cotidiano e momentos históricos e que foram publicados entre 1947 e 1955 na “Revista do Globo”, respeitada publicação quinzenal gaúcha.
Sampaio, nascido José Miguel Pereira de Sampaio no dia 27 de julho de 1927, em São Luiz Gonzaga, era irmão mais velho do cartunista SamPaulo, também já falecido. Desde cedo foram incentivados pelo pai, Juiz de Direito, que costumava fazer caricaturas de seus colegas de trabalho no Tribunal de Justiça e que nas horas vagas pintava.
O cartunista iniciou sua carreira na Livraria do Globo em 1944 como aprendiz de desenhista. Mais tarde, foi contratado pela Revista do Globo, onde sua tarefa era redesenhar piadas de revistas estrangeiras transformando os desenhos coloridos em preto e branco para possibilitar a sua impressão.
Sampaio incorporou a estes desenhos uma marca pessoal: uma folha de samambaia e, pouco a pouco, foi criando suas próprias piadas que acabaram por invadir toda a seção de humor da revista, que se chamava “Ria por favor”. 
 Dizia que sua inspiração vinha de Hieronymus Bosch, pintor do século XV que retratava um cotidiano fantástico com grande saturação de informações e muita atenção aos detalhes.
Em 1948, Sampaio iniciou na imprensa diária porto alegrense, fazendo cartuns de esportes no Diário de Notícias, dos Diários Associados. Nos anos 1950 fez ilustrações para O Estado do Rio Grande. Na Folha da Tarde, vespertino da Empresa Jornalística Caldas Júnior, ilustrou as crônicas diárias do jornalista João Bergman (JotaBê) e mantinha duas páginas de humor, uma no Suplemento de Sábado e outra no Suplemento Infantil.
Nos anos 1960, levou seu humor para a televisão, participando em programas de grande audiência. No “Ringue Doze”, da então TV Gaúcha, que apresentava competições de luta livre ao vivo, fazia charges durante os intervalos. No “Show de Notícias”, importante telejornal da época, ilustrava as notícias desenhando em papel semitransparente preso a um vidro, com o traço aparecendo aos poucos no vídeo até completar a charge.
Nos anos 1970, na TV Difusora, Sampaio fez parte da equipe do telejornal “Câmera 10”, com Lauro Quadros, Adroaldo Streck e Ana Amélia Lemos, entre outros.
Nesta época, abandonou a atividade sistemática de cartunista, passando a colaborar esporadicamente em vários jornais: Jornal do Litoral (de Tramandaí), Jornal da Semana (de Novo Hamburgo), Jornal do Inter e O Terço (de Porto Alegre). Junto com grandes nomes do humor nacional, colaborou com a página “O Centavo” da revista “O Cruzeiro”.
A partir daí, optou pela carreira de servidor público no Tribunal Regional Eleitoral.
Teve desenhos publicados em várias coletâneas, entre elas “14 Bis” em 1976, “Humor de sete cabeças” em 1978 e “Humores nunca dantes navegados”, em 2000. É o autor da capa do “Anedotário da Rua da Praia” de Renato Maciel de Sá Junior, publicado em 1981, com várias reedições.
Em 2004, Sampaio foi o cartunista homenageado do XI Salão Internacional de Desenho para a Imprensa de Porto Alegre, realização da Prefeitura Municipal. Na ocasião ficou surpreso com o convite porque, segundo suas palavras “pensou que nem fossem mais se lembrar dele, porque já tinha pendurado a caneta há muito tempo”.
Pois a ideia da publicação de seu trabalho é despendurar sua caneta para sempre.

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

Convenções partidárias de outros tempos!

*1957
 
*1965


*1962
Michaelsen - "Pode dar a partida, seu juiz.
Pra esta turma eu largo parado mesmo.
 
E ele tinha razão, ganhou na convenção.
 
Diário de Notícias, propaganda paga do PTB.

 



Houve um tempo em que era perigoso ser candidato.
Os milicos podiam não gostar do discurso.




O PMDB pode até mudar de nome, mas continua o mesmo de 1990.

 Até as lideranças dos anos 90 continuam as mesmas.
(Mendes Ribeiro faleceu em 1999).
 


E tinha uns que escondiam o jogo! (Lott, 1958)

 
 E outros que faziam beicinho...

sexta-feira, 27 de julho de 2018

Sampaio, irmão do SamPaulo

Hoje o cartunista Sampaio, meu pai, faria 91 anos. Foi um dos primeiros (senão o primeiro) cartunista profissional do Rio Grande do Sul, se assinava Sampaio e era irmão mais velho do SamPaulo.
Lúcido, nos deixou no verão de 2017, com uma admirável aceitação da sua doença, sentindo a sua vida indo embora aos poucos.
Foi um dos primeiros (senão o primeiro) cartunista profissional do Rio Grande do Sul, se assinava Sampaio e era irmão mais velho do SamPaulo.
Em 2007, nos seus 80 anos, tentei editar um livro com seu trabalho inovador publicado da Revista do Globo entre 1947 e 1955.
Mas, ele me proibiu. Não lhe parecia que o seu trabalho merecesse um livro e só me autorizou a lançar depois da sua morte.
E assim será feito!
Com o projeto gráfico da Libretos (de 2007) e editado pela Insular, de Florianópolis, o livro está pronto para ser lançado!
Abraço a todos.
Maria Lucia
 
 Sampaio e SamPaulo nos anos 70.
Ao fundo a auto retrato pintado pelo pai dos cartunistas.
 

 e nos anos 90

Capa do livro
 
p.s. a data ainda não está marcada, mas será em Porto Alegre e todos serão avisados.

Mais no Blog:
http://sampaio-cartunistagaucho.blogspot.com/